CONTINUAR A COMPRAR

O seu carrinho está vazio

REPELENTE DE MOSQUITOS – SER OU NÃO SER PICADO, EIS A QUESTÃO!

Repelentes de mosquitos – ser ou não ser picado, eis a questão!

> Quais os repetentes de mosquitos aplicação na pele actualmente mais aconselhados?

Contendo DEET – ex.: Tabard®, Previpiq®

Contendo EBAAP (IR3535) – ex.: Pré-Butix®

Contendo Icardina – ex.: Bayrepel®, Autan®

> Qual deles é mais eficaz e seguro?

Todos estes repelentes têm perfis de eficácia e segurança bastante semelhantes no que diz respeito à picada de mosquitos. Em geral, têm também alguma eficácia na prevenção da picada de outros insetos, como certos tipos de pequenas moscas, e de carraças.

> Qual deles é melhor para mim?

De entre aqueles, o melhor repelente para si é o que achar mais fácil de usar, por motivos que podem ir desde o perfume até à forma de apresentação. Assim, por exemplo, se para algumas pessoas é mais prático usar uma bisnaga de creme, para outras, a melhor maneira de se assegurarem que vão mesmo usar o produto, é adquirindo um roll-on de fácil aplicação e transporte.

> Quantas vezes por dia devo aplicar o repelente?

Siga sempre as instruções do produto que estiver a usar. Em média, o repelente é aplicado a cada 4 horas, mas a proteção que ele lhe confere e consequentemente o espaçamento das aplicações variarão bastante com a sua concentração e vários outros fatores. Assim, por exemplo, se suar mais ou se se molhar poderá ter de fazer as aplicações com maior frequência.

> Que cuidados devo ter ao aplicar o repelente?

  • Siga sempre as instruções do produto;
  • Use apenas a quantidade de repelente suficiente para cobrir as zonas expostas da pele;
  • Para aplicar o repelente na face, primeiro aplique-o nas mãos e depois então espalhe-o cuidadosamente na face. Não aplique o produto nos olhos, narinas ou boca, nem em áreas da pele que já estejam bem protegidas pela própria roupa;
  • Não aplique o produto sobre feridas ou pele irritada;
  • Não ative sprays ou aerossóis em espaços fechados e nunca próximo de lume ou quando estiver a fumar, se for o caso.

> Os repelentes podem dar efeitos secundários?

É bastante raro, mas não é impossível acontecer, por exemplo reações de irritação da pele ou olhos, ou alergia (ex.: urticária). Estas reações são, em geral, imprevisíveis. Se já usou um determinado repelente antes sem reações adversas, será em princípio sensato continuar a usar o mesmo. Na dúvida, ou se pensar usar o repelente ininterruptamente durante um longo período de tempo, consulte o seu médico ou consulta do viajante.

> E se eu suspeitar que o produto me está a dar uma reação indesejável?

Nesse caso, suspenda a sua utilização, lave a pele onde o aplicou com água e sabão/sabonete e contacte um profissional de saúde. No caso de aplicar o produto acidentalmente dentro dos olhos, irrigue-os abundantemente com água corrente e consulte um profissional de saúde. Guarde consigo a embalagem para a mostrar se necessário.

> Que repelente usar nas crianças?

Use as formulações próprias conforme indicado na embalagem. Os repelentes com DEET, por exemplo, não devem ser utilizados em crianças com menos de dois meses de idade. Em geral:

  • Não aplique repelente nas mãos das crianças pequenas pois elas levam-nas muitas vezes à boca e aos olhos;
  • Nunca deixe uma criança pequena aplicar o repelente a si própria; deverá ser sempre um adulto a fazer-lho;
  • Consulte o médico do seu filho, sobretudo se este tiver antecedentes de convulsões ou alergias.

> Que cuidados especiais devem ter as grávidas e mães a amamentar ao peito?

No caso dos repelentes de comercialização autorizada, em geral não se colocam recomendações especiais para além das já mencionadas. Consulte o folheto informativo do produto e, se tiver alguma dúvida, recorra ao seu médico ou consulta do viajante.

> Tem interesse tomar vitamina B ou alho, usar dispositivos de ultrassons, ou braceletes ou colares impregnados de inseticida?

Demonstradamente, estes métodos não são eficazes como repelentes.

> Como deverei fazer se quiser aplicar também um protetor solar?

Em princípio, deverá aplicar na pele primeiro o protetor e depois, por cima, o repelente. Mas lembre-se que, nesse caso, a eficácia do creme solar poderá ficar diminuída, pelo que poderá ter interesse em usar um fator de proteção um pouco mais elevado que o habitual. De qualquer forma, se se enganar não se preocupe demasiado, pois há peritos que pensam que a questão de qual dos produtos aplicar primeiro não é assim tão importante.

> E os cremes que contêm uma mistura de repelente e protetor solar?

Não recomendamos em geral estes produtos pois podem condicionar uma absorção excessiva de repelente através da pele, entre outras razões porque o protetor solar tem de ser renovado mais vezes que o repelente.

> Aplico repelente e mesmo assim sou picado!

Para evitar ser picado não basta aplicar repelentes e não pensar em mais nada. Os repelentes recomendados são muito eficazes, mas a sua eficácia na prática depende de vários fatores e não existem repelentes com eficácia de 100%. Por isso é que é tão importante seguir também os restantes conselhos relativos a comportamentos atitudes nas zonas de risco (horário das saídas à rua, vestuário, calçado, inseticida no quarto, etc...).

Os mosquitos são atraídos pelo odor da nossa pele e pelo dióxido de carbono da nossa respiração. Os repelentes tornam-nos pouco atrativos como refeição para os mosquitos, mas não os matam. Por outro lado, os repelentes são eficazes apenas a curta distância, pelo que é natural que veja mosquitos a voar perto de si.

Um produto com maior percentagem de substância ativa ou aplicado mais frequentemente, será uma boa opção caso esteja ao ar livre durante várias horas, enquanto um produto com menor concentração ou aplicado mais espaçadamente pode ser adequado se a sua permanência no exterior for mais curta. Caso esteja no exterior mais tempo do que o previsto e ache que está a começar a ser picado pelos mosquitos, simplesmente volte a aplicar o repelente, seguindo sempre as instruções do produto. Não se esqueça de abranger uniformemente todas as zonas de pele exposta (exceto olhos, narinas e boca).

Voltar